Geração solar subirá 11 vezes e atrai pequenos investidores

Com previsão de multiplicar em 11 vezes a capacidade este ano, o setor de energia solar fotovoltaica deve atingir potência 1 mil megawatts (MW). Apesar da maior parte da expansão vir de grandes usinas, pequenos investidores, com parques de até 5 MW, começam a avançar no segmento. O presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia, diz que este ano o mercado “dará um salto”, já que no final do ano passado a potência instalada era de apenas 90 MW.

O crescimento é resultado da energia contratada em leilões realizados pelo governo federal nos anos de 2014 e em 2015. “Até agora já contamos com 250 megawatts, o que é um avanço frente ao que tínhamos no início do ano, porém vamos encerrar o ano com 1 gigawatt”, projeta o dirigente. De acordo com ele, os investimentos aplicados pelo setor acumulam, desde 2010, um montante de R$ 5 bilhões – dos quais cerca de 90% serão aportados ao longo deste ano. “ No ano que vem vamos multiplicar ainda mais esses investimentos”, estima Rodrigo Sauaia.

Segundo o diretor-presidente da Yaskawa, Luís Simione, a empresa quer aproveitar o crescimento do mercado brasileiro e está lançando seu primeiro inversor fotovoltaico produzido no País, a partir da planta em Diadema, em São Paulo. O equipamento, por possuir conteúdo local, pode ser financiado por uma linha do Finame, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A intenção da empresa é produzir equipamentos, que possam atingir entre 750 kilowatts (KW) e 1 mil KW, que, de forma combinada, formem centrais de 100 MW a 250 MW. A empresa já opera cerca de 3 GW de capacidade com equipamentos fotovoltaicos principalmente nos Estados Unidos, além do Japão e da China.

Investidores

Simione destaca que os principais clientes são as grandes usinas, com capacidade de geração de 20 MW a 30 MW. No entanto, ele ressalta que, em paralelo, há demanda para um mercado de pequenas usinas, de 1 MW, 2 MW ou até 5 MW. “Enxergamos interessados em desenvolver áreas, implantar painéis e vender os créditos de energia no mercado livre”, afirma.

Ele reforça, porém, que são investimentos de longo prazo. “Mas é um mercado que vem atraindo empreendedores”,
acrescenta o executivo. As pequenas usinas geram, em média, 100 vezes menos que equipamentos instalados, por exemplo, em residências. Entre os clientes da empresa há estudo para implantação principalmente no Nordeste e Sudeste. “Falta é uma maior clareza, por parte do governo, sobre como os investidores podem ingressar nesse mercado”, observa do executivo da Yaskawa.

O diretor de soluções B2B da Enel, Rafael Coelho, conta que a empresa investiu e construiu um condomínio solar, com 19 lotes, no interior do Ceará, com uma capacidade de 1 MW, cuja energia foi vendida, num contrato de longo prazo, à rede de farmácia Pague Menos. São 3,4 mil placas suficientes para abastecer 900 casas ao mês. “Nós investimentos na usina, geramos a energia e os clientes recebem créditos em sua conta”, explica Coelho, destacando que o modelo foi desenhado para que a distribuição da energia possa ser consumida num local diferente de onde for gerada.

Na visão dele, o comércio e a indústria são os maiores demandadores deste serviço. As principais razões para as empresas buscarem por condomínios solares são a falta de espaço no telhado, a falta de linhas de financiamento ou até mesmo não contar com imóveis próprios, já que os aportes são altos e com retorno de longo prazo. “As empresas preferem investir em estoque ou capital de giro do que em equipamentos para reduzir a conta de energia”, acrescenta o executivo da B2B.

Residenciais

De acordo com a Abosolar o Brasil possui, atualmente, cerca de 13,6 mil sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede. Os consumidores residenciais lideram o uso da fonte renovável, com 42% da potência instalada no País, seguida por empresas do comércio e serviços (38%), indústria (11%), poder público (5%) e zona rural (3%).

Para aproveitar essa fatia de mercado e minimizar um dos gargalos do setor, que é o financiamento à compra dos equipamentos solares, a BV Financeira abriu uma linha de crédito, com juros de 1,56% ao mês, voltado à pessoa física, com prazos entre 12 e 60 meses. “Há um potencial de 6 milhões de residências, já que o Brasil tem a quarta maior área de ensolação do mundo”, diz o executivo do Banco Votorantim, Gabriel Ferreira.

Segundo ele, o valor mínimo por operação é de R$ 5 mil, mas a média das contratações devem ficar entre R$ 20 mil e R$ 25 mil. Segundo Sauaia a falta de financiamento é um dos gargalos do setor. “O sistema fotovoltaico precisa ser compreendido como um bem durável, de longa duração”, afirma. Apenas os pequenos geradores respondem por cerca de 106 MW.

About the Author